Saiba mais sobre como é a vida no semiárido

No Brasil, o acesso ao saneamento básico é um direito assegurado pela Constituição Federal de 1988 e tem suas diretrizes estabelecidas pela Lei Federal 14.026/2020, garantindo serviços como água potável e esgotamento sanitário. No entanto, no Brasil, estes serviços têm sofrido uma escassez, principalmente no semiárido, onde as condições sanitárias são pouco viáveis.

A vida na zona rural

A população rural representa apenas 16% da população do país, porém, é uma das que mais sofrem com a falta de saneamento básico. De acordo o IBGE (2014), apenas 33% dos domicílios rurais estão ligados a redes de abastecimento de água, 8% têm conexão com rede coletora de esgoto e 27% contam com coleta direta de resíduos sólidos.

Infelizmente, a cobertura do acesso a coleta de lixo acaba se concentrando em regiões delimitadas como urbanas, assim, as zonas rurais não são beneficiadas com este serviço. Segundo os moradores de regiões semiáridas, existem alguns programas para minimizar a situação de vulnerabilidade social, todavia eles se restringem a poucas comunidades ou regiões, permanecendo o descaso e a falta de acesso a água potável e serviços de qualidade.

Tais fatores tornam a vida no semiárido ainda mais difícil, principalmente quando relacionamos este delicado cenário sanitário com o contexto geral de falta ou dificuldade de acesso a outros recursos básicos.

Água X Saúde no Campo

No Semiárido, as cisternas são o principal meio de abastecimento de água sem canalização, tendo sua concentração na região Nordeste.

Contudo, a disputa da água no meio rural e o uso de agrotóxicos são problemas frequentes para o direito ao saneamento básico, uma vez que a maior parte da água fica concentrada nas mãos do agronegócio, que também utiliza uma enorme quantidade de produtos tóxicos na produção, poluindo os lençóis freáticos e contaminando as águas.

De acordo com o Instituto Trata Brasil (2013), o país teve mais de 14 milhões de casos de afastamento por diarreia ou vômito. Segundo  o estudo, se 100% da população tivesse acesso à coleta de esgoto haveria uma redução de 74,6 mil internações, e 56% dessa redução ocorreria no Nordeste, tornando a vida no semiárido mais fácil de ser vivida.

Assim, conseguimos entender o quanto o direito a água nas zonas rurais é precário e negligenciado.

Esgotamento Sanitário

O esgotamento sanitário está intrinsicamente ligado ao abastecimento de água, já que a ausência do serviço de coleta e/ou tratamento de esgoto gera várias consequências, principalmente em termos de problemas ambientais e de saúde coletiva.

Vale ressaltar que entre os problemas ambientais pela falta de esgotamento está a poluição dos recursos hídricos. A poluição de rios, mares e lagos pela falta de esgotamento acaba gerando um ciclo vicioso. Esta mesma poluição aumenta custos de tratamento de água para abastecimento, visto que os rios são grandes provedores de água para consumo residencial.

Entretanto, como já mencionado acima, a zona rural é um região negligenciada em condições sanitárias, logo, as chances de um tratamentos de água para evitar doenças hídricas é algo extremamente difícil.

Como a SDW pode ajudar as zonas rurais?

Atualmente com 4 produtos em seu portfólio e mais de 13 mil beneficiados, a SDW atua levando suas tecnologias sociais para diversas comunidades no semiárido que vivem carentes de saneamento básico.

Todos os anos centenas de vidas são transformadas, minimizando seus índices de pobreza e mortalidades e potencializando suas taxas de saúde.

Conforme mencionado, a zona rural é um ambiente desafiador de mudança social e precisamos de muita ajuda para salvar as pessoas que vivem lá. Por isso, nós te convidamos a ajudar o máximo de comunidades possíveis, levando água potável e saneamento básico.

Entre em contato conosco pelos nossos canais e saiba como ajudar a impactar vidas e ainda obter retorno social satisfatório para a sua empresa.

Site: www.sdwforall.com.br

Instagram: https://www.instagram.com/sdwforall/

Linkedin: https://www.linkedin.com/company/sdwforall

Compartilhe

editor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *